• Polícia 12/08/17 | 06:35:06
  • Moradora de Concórdia perde quase R$ 3 mil em “golpe romântico”
  • O caso foi registrado na Delegacia de Polícia de Concórdia
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Luan de Bortoli /Rádio Rural/Adalmir Kaiser
  • Foto: Ilustrativa

Uma moradora de Concórdia perdeu quase R$ 3 mil nesta semana depois de ter sido enganada por um homem que, supostamente, morava fora do Brasil, e vinha mantendo contato com ela através da internet. Este "golpe romântico" é muito semelhante ao Golpe do Amor, que a Receita Federal vem alertando estar acontecendo no país.

A mulher seria natural de uma cidade da região de Concórdia.

Conforme informações, a mulher vinha se envolvendo com um homem que estaria residindo em outro país há cerca de seis meses. Nesta semana, ele pediu ajuda financeira para a concordiense.

Primeiro, ele quis R$ 2,550,00, valor cujo ela depositou. Em seguida, o golpista pediu cerca de R$ 15 mil. A mulher fez o depósito, mas a gerente do banco alertou que poderia se tratar de um possível golpe.


Pelas informações apuradas, em função do alerta da gerente, a vítima conseguiu estornar o último depósito. O caso foi registrado na Delegacia de Polícia de Concórdia nesta quinta-feira, dia 10. Mais detalhes do caso não foram divulgados por se tratar de uma ocorrência confidencial.


Conheça o Golpe do Amor

A Receita Federal divulgou um alerta à população sobre o crescente número de vítimas do chamado "golpe do amor" ou "golpe Don Juan", em que mulheres são induzidas a fazer depósitos em troca de bens e benefícios supostamente retidos no aeroporto.

A alfândega do órgão em Guarulhos vem recebendo um número crescente de ligações de vítimas do golpe. Os criminosos, de acordo com a Receita, criam perfis falsos nas redes sociais geralmente se passando por estrangeiros em boas condições financeiras e com empregos prestigiados.

Após envolverem emocionalmente a vítima, declaram-se apaixonados e prometem o envio de bens diversos do exterior por via postal ou por meio de um viajante. Posteriormente, pedem que a vítima deposite dinheiro em contas para que possam resgatar bens que supstamente foram retidos pela Receita no aeroporto.


A Receita Federal ressalta que não exige qualquer pagamento em espécie ou por meio de depósito em conta-corrente e que todos os tributos aduaneiros administrados pelo órgão são recolhidos por meio Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf).

comentários