• Esporte 10/05/17 | 11:35:41
  • Sobreviventes da Chapecoense voltam ao local da queda do avião
  • Todo o caminho foi superado por membros da delegação da Chapecoense
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Diário Catarinense/Adalmir kaiser
  • Foto: Caê Mota / Globo Esporte/Bruna Bernardes / Agência RBS

O trajeto até Cerro Gordo, local do acidente com o avião da Chapecoense, no município de La Unión, é longo. Há uma estrada estreita, difícil, em que só veículos com tração nas quatro rodas conseguem superar os obstáculos do caminho. É uma subida de cerca de dois quilômetros até o caminho que leva ao local onde caiu a aeronave. Depois, da entrada da base militar até o local do acidente, mais uma longa e difícil caminhada.

Todo o caminho foi superado por membros da delegação da Chapecoense e pelos sobreviventes brasileiros da tragédia, que superaram as dificuldades e as fortes emoções para dar um último adeus às 71 vítimas da tragédia.

O goleiro Jackson Follmann, o lateral Alan Ruschel, o zagueiro Neto e o jornalista Rafael Henzel voltaram ao local onde foram encontrados com vida em 29 de novembro do ano passado. Eles caminharam por toda a trilha. Follmann, que teve parte da perna direita amputada, completou a subida com a ajuda de socorristas dos bombeiros e da defesa civil.

- Poder voltar aqui é uma emoção muito grande. Tenho muita saudades dos amigos que nos deixaram - exaltou o goleiro sem esconder a emoção.

Os sobreviventes não seguiram até o final da trilha, mas a reportagem do Diário Catarinense foi até o topo do morro. Pelo caminho, ainda é possível ver destroços do voo da LaMia.

No lado alto do Cerro Gordo, onde o avião se chocou, foi colocada uma bandeira da Chapecoense juntamente com cruzes feitas com galhos de árvores. Funcionários do clube penduraram a flâmula assinada por membros da delegação, em um momento que ficará eternizado na memória dos presentes.

- Que eles descansem em paz e que olhem por todos que deixaram aqui embaixo. Temos muitas saudades deles, mas é um ciclo que se fecha - disse Elisabeth de Nes, mulher do presidente da Chapecoense, Plínio David de Nes Filho.

Em La Unión, as marcas do acidente aéreo não são vistas apenas no Cerro Gordo, onde estão os destroços. O sentimento da cidade ainda faz lembrar as vítimas da Chape. Na Plaza de La Unión, a população preparou esculturas com destroços do avião para presentear a delegação. Bandeiras do Brasil e da Chapecoense também decoram lojas e restaurantes.

comentários